X Contos Eroticos » Gays » Conto Gay – O Meu primeiro boquete

Conto Gay – O Meu primeiro boquete

  • 4 de agosto de 2018
  • 1614 views

Nem acredito que estou contando isso e que realmente uma coisa dessas poderia acontecer comigo, sempre gostei de mulher e acho que até hoje ainda gosto mas o que vou contar aqui acabou mexendo com minha masculinidade, nunca tive dúvidas das minhas opções sexuais mas agora estou pensando quê posso estar duvidando até dos meus desejos, espero que isso passe logo, porque estou envergonhado de mim mesmo, mas mesmo assim eu preciso desabafar aqui pois não consigo mais pensar em outra coisa, vamos começar pelo fato da minha mudança de vida, fui bancário durante 15 anos e acabei fazendo uma demissão voluntária e acabei me arrependendo mas não tinha volta e fui parar numa firma de representações comerciais de um parente meu, foi a única oportunidade que me apareceu então comecei a viajar com frequência tenho quatro regiões uma semana em cada parte do Estado que não vou revelar aqui por quê estou como disse muito envergonhado, tenho 42 anos e sou casado como a mulher muito gostosa nosso sexo é razoável e temos dois filhos então nunca tive dúvidas sobre minhas opções como disse, até o que aconteceu comigo alguns meses atrás.

disksexo

Número das regiões me hospedo no hotel pequeno de uma cidade que também prefiro não mencionar e foi nesse hotel que eu conheci um outro vendedor de materiais de construção que se chama Roberto mas todos o conhecem como Beto,, ele tem a mesma idade que é minha ou de repente até um pouco mais novo mas isso não importa o que importa é que Beto e eu começamos uma amizade bem legal, tudo começou nesse hotel onde me hospedo, conheci ele na primeira noite em que dormir lá, estava fazendo meu cadastro na recepção e ele chegou já era conhecido do pessoal da casa, fez brincadeiras com a atendente e parecia que todos gostavam dele tipo um cara boa Praça entende, ele começou a trocar uma conversa comigo e perguntando se eu era novo no ramo eu contei um pouco da minha história e ele resolveu me ajudar tipo com as manhas da profissão, eu achei bem legal da parte dele e acabamos pegando um quarto um do lado do outro, como é um

hotel pequeno os quartos são bem parede com parede e ele subiu comigo as escadas para guardarmos nossas malas, já na escada Beto fez uma brincadeira comigo ele passou a mão na minha bunda e disse que era para mim ficar esperto por que nos hotéis os caras ficavam de olho dos vendedores novos e que eu era carne fresca no Pedaço achei aquilo um comentário bem babaca mas tentei ignorar, eu entrei no quarto e Beto me ajudou aguardar minhas coisas Já ficamos bem amigos logo de cara, fui guardando minhas roupas no armário e Beto pegou uma cueca minha e fez uma brincadeira, ameaçou jogar ela pela janela, eu achei uma brincadeira meio sem graça mas tentei impedido e mesmo assim continuou me sacaneando, quanto fui tentar tirar das mãos dele Beto me prensou contra a parede e acabou me encochando, mais uma vez achei que aquilo tinha passado um pouco dos limites mas Beto Fazia tudo parecer brincadeira então fiquei sem jeito de repreendê-lo, nessa primeira noite desci para comer alguma coisa, e claro que encontrei Beto, trocamos algumas palavras e ele me chamou para irmos até uma lanchonete que ele conhecia próximo ao hotel eu aceitei pois não conhecia nada na cidade então vamos nós dois até o local, Beto pediu um churrasco para dois e uma cerveja bem gelada não tenho costume de beber a noite mas Beto nem me me perguntou.

Jantamos e bebemos várias cervejas, fazia muito calor na região e estava descendo legal aquelas cervejas como não tenho costume de beber muito a noite acabei ficando bem alcoolizado, Beto sair toda hora para fumar lá fora e voltava e pedir mais uma cerveja eu pedi para ele ir com calma mas ele não me escutava, resolvi ir pagar a conta no balcão e encerrar por aí minha bebedeira mas quando cheguei a conta já estava paga, Beto tinha acertado tudo e não deixou eu pagar nada, tentei até lhe dar algum dinheiro mas ele disse que acertava comigo no hotel eu acabei achando que ele era apenas um cavalheiro e um bom amigo mas eu estava enganado e vocês logo não entender porque, chegando no hotel fomos para o quarto, Beto tinha pego algumas latas para encerrarmos nossa rodada no hotel, Beto perguntou para mim se queria que fossemos beber no quarto dele, achei meio esquisito mas estava meio alto e acabei aceitando seu convite, abrimos mais duas latas e fizemos um brinde, realmente eu estava meio tonto de tanto que tomei, então resolvi usar o banheiro quando levantei perdi o controle e acabei tropeçando e Beto me auxiliou segurando meu corpo, tentei me apoiar mas acabei caindo sentado no colo de Beto, e foi aí quê eu vi como ele era um tarado, ele aproveitou o meu descuido e me segurou em seu colo, tentei levantar mas ele me segurava e a cada vez que eu tentava mas ele se aproveitava da situação, aquela cena já estava ficando cômica se não fosse pelo fato de Beto estar realmente com segundas intenções, o desgraçado estava aproveitando da minha bebedeira para ficar me puxando para seu colo, numa dessas sentadas pude reparar a a ereção de Beto, seu pau estava duro e ele queria que eu notasse aquele volume, nunca me vi numa situação do daquela, então fiquei no seu colo sem reação, quando conseguir me soltar, fui meio que cambaleando para o banheiro, entrei e urinei como nunca estava com a bexiga explodindo, quando voltei para o quarto Beto estava fumando na sacada e me chamou para tomar a saideira, disse que precisava ir que já era tarde mas o Beto disse para mim não ser um babaca e tomar a última com ele, eu fiquei sem jeito e aceitei, nessa hora lembrei tinha ficado devendo a janta para Beto e perguntei quanto devia a ele, Beto sorriu dizendo, Você pode me pagar um boquete que está tudo certo, mais uma vez eu achei que era uma uma brincadeira que mal gosto, e eu falei para ele dizer Sério qual era o valor, Beto virou para mim já abrindo o zíper da calça falando que ninguém precisava saber, e era só um segredo de nós dois, o cara estava sendo inconveniente e atrevido demais, eu já não estava achando mais graça nenhuma naquela brincadeira e tentei falar sério mais uma vez com ele, fala logo quando eu te devo eu preciso ir embora, Beto falou se você não quer pagar um boquete pode me bater uma punhetinha então, e tirou seu pau para fora da calça, estávamos na sacada do hotel e ele não estava nem aí sem pudor nenhum ficou balançando aquele pênis na minha frente que por sinal já estava bem mais duro do que mole e eu não sabia o que fazer por quê para mim sair eu tinha que passar por ele e fiquei mais uma vez sem reação, Beto se aproximou de mim como quem não dá chance, e foi logo me cercando, eu estava com minha carteira aberta tentando pagar minha conta e o cara queria putaria, Beta chegou tão perto te em mim com aquele pau na mão quê eu não tive como escapar e acabei relando na cabeça do seu pau com minha mão, foi muito estranho o que eu senti na hora, porque nunca tinha tocado pau que não fosse o meu na minha vida inteira, Beto disse para mim só dá uma pegadinha e tá tudo certo, minha educação não é de briga, e ele esbarrou seu pau de novo em mim meio que fazendo eu pegar ele na força, nessa hora acabei derrubando minha carteira com dinheiro no chão e tentei me abaixar para pegar foi quando Beto se aproveitou e esbarrou seu pau na minha bochecha, ele estava indo longe demais com aquela palhaçada, eu precisava ter uma reação mais enérgica me mostrar para ele que eu não estava à vontade com aquilo, mas mais uma vez fiquei sem reação e peguei minha carteira e coloquei ela no bolso já não queria mais pagar nada de conta só queria sair dali, falei para Beto que precisava realmente ir embora e tentei passar por cima dele quando Beto entrou na frente da porta e me disse chupa logo essa pica, você só sai se fizer uma chupeta, o cara estava falando sério sobre não receber meu dinheiro, ele bebeu seu último gole e falou meio áspero comigo, você vai chupar ou vai ficar aí só olhando meu pau, que nesse momento já estava bem duro ele ficou ali alisando e massageando ele na minha frente, eu tinha bebido demais para poder me meter numa briga e aquilo não era lugar para uma confusão, Beto se aproximou de mim e disse se bater uma te deixo passar e foi logo pegando minha mão e colocando no seu pau tentei não pegar mas ele insistiu eu sem querer muito acabei tocando o seu pau de novo, meu coração acelerou eu acabei pegando aquele negócio na mão, meio sem jeito segurei e Beto sorriu dizendo eu sabia que você gostava de uma pica bem grossa, tentei largar mas o Beto segurou minha mão, eu não acreditava que tinha o segurado e fiquei ali mais uma vez sem reação seu pau estava quente é muito duro, Beto falou para mim masturbar ele, não sei o que me deu na cabeça para pensar quê ele se satisfaria com aquilo e me deixaria ir embora para meu quarto então comecei a mexer com ele, comecei a masturbar seu pau e Beto em tom sarcástico me perguntou se eu tinha gostado de pegar no seu pau, eu fiquei sim saber o que dizer só pensava em terminar logo para me livrar daquela situação constrangedora, o pau de Beto cresceu na minha mão ficou gigante e grosso demais, o cara era pauzudo, comecei a acelerar os movimentos e Beto não gozava nunca, já tinha uns cinco minutos eu estava ali na sacada de um hotel com pau de outro cara nas mãos que situação era aquela que eu tinha me metido só pensava em terminar logo com aquilo então Beto falou chupa logo essa rola que eu sei que você tá morrendo de vontade, não deu tempo de eu nem me recusar e ele me puxou pelo pescoço abaixando minha cabeça com força e um pouco violento também, acabei me descontrolando e ficando de joelhos em frente aquele pau, Beto forçou minha cabeça esfregou aquele Pau na minha cara eu tentei resistir mas ele com as duas mãos me puxou pelos cabelos e esfregou seu pau na minha boca eu ainda com os lábios fechados tenteii dizer não’, seu pau cheirava urina seu rosto era salgado senti seu gosto e fiquei meio enjoado não sei se era as cervejas ou era um gosto daquele pau na minha boca só sei que Beto não me deu outra alternativa a não ser chupar aquele cacete, ele foi esfregando até eu abrir minha boca e Beto disse chupa a cabeça e eu te deixo ir embora, eu sem jeito acabei chupando a cabeça do pau de Beto ele agora satisfeito retrucou chupa a cabeça logo sua bichinha, eu tinha uma pica na minha boca e não estava acreditando naquilo não estava nada confortável com aquela situação mas Beto não deu trégua e foi me empurrando aquilo tudo na minha boca quando reparei já estava chupando mais da metade e Beto sorria dizendo que eu era uma putinha e que ele tinha visto desde o início que eu gostava de um pau, tentei dizer para ele que nunca tinha feito aquilo antes, mas ele não dava ouvidos e mandava eu não parar de mamar seu cacete, Beto me arrastou para dentro do quarto eu ainda De Joelhos com seu pau na boca ele não queria arriscar sermos pegos no flagrante, Beto era muito conhecido ficou com medo de sermos reconhecidos, se ele estava com medo imagina como eu estava, era eu que estava chupando um pau o cara que eu mal conhecia, Beto puxava meus cabelos e me orientava como ele gostava de ser chupado, baba bem nesse pau sua Bixinha, agora chupa minhas bolas, iniciei chupar seu saco e Beto de repente bateu seu pau na minha cara fazendo eu tomar um susto, desgraçado além de querer se satisfazer comigo ainda queria me humilhar e era isso que ele estava fazendo, me deu vários puxões no cabelo e pintadas na minha cara, senti raiva de Beto, mas não fiz nada além de continuar chupar aquele Pau, Beto pediu para mim se preparar para seu gozo, eu pedi para ele me deixar ir embora mas dele sou eu dizendo vai chupar esse pau e tomar porra na cara, Beto segurou na base do seu cacete segurando o gozo o máximo que podia e posicionou meu rosto bem na frente de sua cabeçona e gorfou um jato enorme de porra quente na minha cara, aquele pau enorme ainda depois de gozar não amoleceu, nunca tinha visto alguém gozar tanto e ainda ficar com ele duro daquele jeito, Beto me fez lamber ele todo até eu limpar seu pau todinho, Beto guardou seu pau dentro das calças e acendeu o cigarro, ele ficou com uma cara de satisfeito me olhando com um olhar cínico de quem se aproveitou da situação e da Inocência de alguém, ele me perguntou se eu queria tomar mais uma cerveja com ele eu estava tão envergonhado que não consegui responder nada, ele se aproximou de mim e me confortou dizendo eu sei que foi sua primeira chupeta para o outro cara e você saiu muito bem, pode ficar tranqüilo que o que aconteceu aqui vai ser nosso segredo, eu ainda envergonhado Acabei aceitando o convite não sei como ele me convenceu que aquilo não tinha sido nada demais, descemos para beber mais uma cerveja como dois amigos, Beto acabou me pagando mais uma rodada e aquela noite ainda me reservava muitas surpresas que depois acabo contando para vocês aqui.

Contos relacionados

Comentários

© 2019 - X Contos Eroticos