X Contos Eroticos » Fetiches » Pai do meu ex me namorado traçou gostoso

Pai do meu ex me namorado traçou gostoso

  • 3 de fevereiro de 2019
  • 1593 views

Oie amores
Voltei com um conto quentinho, isso aconteceu faz poucas semanas rs
Eu estava no meu horário de almoço do trabalho, fui comer num restaurante japonês que tem lá perto e acabei reencontrando o pai do meu ex-namorado. Fazia muito tempo desde que eu não via ele (4 anos, que foi quando terminei).
Ele tinha acabado de chegar no restaurante.
“Lili? Meu Deus menina, quanto tempo” Ele disse, vindo me cumprimentar.

disksexo

“Seu Dio, faz tempo já, como o senhor tá?” Não vou falar o nome dele, mas esse é o apelido que ele tem hehe
“To bem, e você como é que ta? Ta em horário de almoço? Ta com uniforme.” Ele disse.
“É eu trabalho em um escritório aqui perto, vim almoçar.” Respondi.
“Senta aqui comigo, vamos conversar, faz tempo que não nos vemos.” Ele falou e eu aceitei, até porque sou perita em sentar haha
Conversamos sobre coisas meio que aleatórias, sobre como estivemos nesses últimos 4 anos, o que temos feito…
“O Ju vai ser pai, daqui a um mês vai casar.” Ele disse. Ju é o filho dele, meu ex.
“Ah… legal, deixou de ser o malandrão de antes?” Perguntei.
“Deixou, tomou jeito… já tava na hora.” Ele disse.
“E a Gil, como ela ta?” Perguntei, eu gostava tanto da minha sogra.
“Ela… ta bem, a gente ta brigado mas tamo vivendo ainda.” Ele comentou.
“Vida de casal é assim mesmo, briga, volta, briga volta…” Respondi.
“É, uma hora a gente se acerta de novo.” Ele disse.
Continuamos conversando até terminar de comer, dei meu número pra ele pra gente manter contato e pedi pra passar pra esposa dele.

Nos despedimos e voltei pro trabalho.
Quando cheguei em casa vi uma mensagem dele.
“Acabei vendo o prédio que você entrou, passei de carro por você. Seu chefe é o Lindomar?” Ele perguntou.
“Não, eu trabalho no andar acima do dele. Não sabia que vocês se conheciam.” Respondi.
“Já trabalhamos juntos, uns 10 anos atrás.” Ele falou.
“Entendi.” Mandei e fui tomar banho.
Telefone começou a vibrar.
“Oi” Atendi.
“Escuta, tava pensando, amanhã vamos na churrascaria? Acho que da pra eu levar a Gil pra ela matar a saudade de você” Ele disse.
“Tudo bem, pode ser, vai ser legal.” Respondi.
“Você ta tomando banho? To ouvindo um barulho de água” Ele disse.
“Sim eu tô” Respondi pra ele na maior naturalidade.
“Caramba, desculpa, vou desligar.” Ele falou.
“Não se preocupa” Falei rindo.
Terminei de tomar banho e fui jantar.
Pouco depois de eu terminar e ir pro meu quarto ele me mandou outra mensagem.
“Lili, desculpa mesmo viu, da próxima vez vou lembrar de mandar mensagem perguntando se posso te ligar.” Ele dizia.
“Já disse, não se preocupa… você só falou comigo por voz, não me viu sem roupa, eu não me incomodo com isso não.” Falei pra ele.
“Tudo bem então… bom, eu falei com a Gil e ela não vai poder ir amanhã. Podemos marcar pra outro dia se quiser.” Ele mandou.
“Ou, a gente pode ir amanhã e ir de novo quando ela quiser, faz tempo que não como um churrasquinho” Mandei pra ele, com emoji de risada.
“Boa ideia, você bebe? A gente poderia deixar pra ir no final da tarde, assim já tomamos umas e comemos.” Ele me convidou.
“Claro, vai ser legal” Respondi.
Gente… fiquei excitada.
“Que isso mulher… se controla” Pensei.
Me deitei tentando não pensar besteira, mas né… eu não consigo.
Tava tão excitada já pensando besteira que fui passando a mão por cima do short… parei, mas não aguentei.
Tranquei a porta do quarto, me deitei e tirei tudo… enfiei os dedos na rosinha e coloquei o travesseiro na cara pra não ouvirem eu gemer.
Dormi.
No outro dia fiquei pensando na siririca o dia todo enquanto trabalhava.
Quando terminei meu expediente fui pra churrascaria.
“A caminho” Mandei pra ele.
“Acabei de chegar, vou pegando uma mesa” Ele disse.
Cheguei e encontrei ele.
Começamos a bebedeira e a comer.
Conversávamos, ríamos, bebemos pra cacete…
Era comecinho de noite já quando estávamos quase parando de beber pra não cair no chão da churrascaria.
“Já teve uma vez um doido achou que eu fosse prostituta só porque tava parada na esquina.” Falei, rindo.
“Não creio kkkk” Ele ria que se acabava.
“Quanto é a meia-horinha. Ele tinha me perguntado… safado” Disse pra ele, rindo.
“E o que tu respondeu?” Ele perguntou, rindo.
“Tu não deve durar nem meio minuto, seu bosta.” Disse e caí na risada.
“Não ficou com medo dele tentar te atacar?” Ele perguntou, ainda rindo.
“Não, as prostitutas mesmo tavam ali, sozinha eu não tava… 5 contra 1, ele ia se foder.” Respondi.
“Um doido querendo foder, seria fodido… que louco.” Ele disse, quando virou o copo.
“É a vida.” Respondi, rindo e virando o copo também.
E o pensamento da noite anterior não saía da cabeça… eu tentava disfarçar mas tava difícil, ainda mais ficando bêbada.
“Quanto tempo?” Ele perguntou.
“O que?” Não entendi a pergunta.
“Quanto tempo você já aguentou na cama?” Ele quis saber.
Achei estranha a pergunta, mas…
“Não sei dizer, eu perco fácil a noção do tempo em praticamente qualquer situação.” Respondi.
“Quando ficar velha igual eu, vai ver que é bom reparar no tempo passando.” Ele disse.
“Poético, mas você nem é tão velho assim, só tem tipo… idade pra ser meu pai.” Respondi, tentando não rir.
“Logo logo vou ser avô, to me sentindo velho já” Ele disse.
“Aposto que se fosse solteiro, não ia bancar o vovô pra pegar alguém.” Falei pra ele, dando uma golada.
“E preciso ta solteiro?” Perguntou, e eu entendi a pergunta.
“Na verdade não, mas será que não vai pesar na consciência?” Perguntei, já sabendo a resposta.
“Nem, brigado com a esposa e quase pedindo divórcio, última coisa que vai acontecer é pesar a consciência.” Ele disse.
“Então se é assim, vai fundo.” Disse, colocando o copo na mesa.
Fomos até o caixa, ele pagou a conta e saímos.
Entramos no carro dele e fomos pro apartamento que ele tinha alugado pouco depois de ter brigado com a esposa.
“Vivendo em um apartamento, sozinho, e não traçou ninguém aqui? Sério?” Perguntei.
“Eu não tava tão na seca, mas agora…” Respondeu.
“Agora o que? A única coisa que tem aqui contigo é uma moça novinha, loira do peito e bunda grande louca pra foder, nada mais que isso.” Falei tirando a blusa, meio afastada dele.
“É mesmo? Nem tinha reparado.” Ele falou, chegando perto de mim e tirando a blusa.
“Por que quando o cara é novo tem tara por mulher mais velha, e quando ta ficando velho tem tara por novinha?” Perguntei, tirando minha calça.
“Uma bem experiente pra foder legal quando a gente é novo, e uma novinha pra gente mostrar que é experiente quando ta mais velho” Ele respondeu, tirando a calça.
“Malandro vocês hein” Disse, tirando o sutiã e a calcinha.
“Pois é.” Ele disse, tirando a cueca e me abraçando por trás.
A rola dele roçou na minha buceta, deixei as pernas fechadas pra manter ela assim. Ele começou a fazer vai-e-vem.
Me levou pro quarto, se deitou na cama com o pau erguido e caí de boca.
Comecei a mamar bem gostoso, uma mamadinha leve e fui enfiando a rola dele goela abaixo, fazendo uma garganta profunda.
Ele colocou a mão na minha cabeça, segurando, deixei até a hora que não aguentei e soltei.
Voltei com a mamada, lambi as bolas e fui subindo a língua até a cabeça do pau. Abocanhei de novo.
“Mama mais vai… isso.” Ele dizia.
Comecei a rir enquanto mamava e ele não entendeu.
“To dando pro meu ex-sogro… essa é a graça… nunca pensei que faria isso.” Disse pra ele.
Ele riu também.
Ele segurou minha cabeça e começou a meter o pau pra dentro, indo e vindo, foi aumentando a velocidade.
“Ugh… Ugh… Ugh… Ugh…” O pau ia e vinha, ia e vinha…
Deu uma parada.
Subi nele, ajeitei a cabeça do pau dele na minha buceta e fui descendo devagar.
Quando entrou tudo, comecei a cavalgar nele.
“Ah… Ah… Ah… Ah…” Eu gemia com o pau entrando e saindo.
“Pula mais safada.” Ele pediu, eu continuei quicando sem parar… tava uma delícia.
“Ai minha bucetinha… ah… vai… ah… fode… ah… ah…” Comecei a rebolar no pau dele, com um tesão da porra.
Deitei por cima dele, ele encheu as mãos na minha bunda e fodeu com gosto minha pepeca.
“Mais forte… mais… ah… mais forte… mais… mais… isso… ah…” Eu pedia, louquinha de prazer.
“Pede mais putinha, continua pedindo vai.” Ele sussurrou no meu ouvido e eu adorando.
“Mais… mais… vai forte… mais forte… vai… vai… vai…” Minha voz saía trêmula, tentava falar enquanto gemia.
Falei pra ele parar.
Fiquei de quatro na cama.
“Come gostoso” Pedi.
Ele passou a cabeça no meu cu, piscando já, e botou na buceta.
Meteu com vontade.
“Ah… Ai… Ah… vai… mete… ah… ah…” Eu gemia, colocando a cara no colchão.
Ele começou a bater na minha bunda.
“Mais forte… ah… bate forte… vai… ah…” Eu só queria continuar a foder, qualquer coisa falava que tava bêbada rs
Bateu forte na minha bunda, e continuou… delícia rs
Quanto mais ele socava, mais gostoso ficava… queria entrar na rola até não aguentar mais.
Gozei gostoso e ele parou.
“Agora, prepara o rabinho.” Ele disse, botando no meu cu.
“Tu não goza não é?” Perguntei.
“Vamos dizer que eu demoro um pouco mais que o normal” Ele disse.
Foi enfiando o pau devagar no meu cu e eu adorando.
“Uh… Hummm…. Hummm….” Eu já tava gemendo.
Quando entrou tudo, ele foi voltando devagar até ficar só a cabeça. Colocou de novo e quando foi voltar, eu achando que ele ia devagar de novo, meteu uma com força.
“AI.” Dei um gritinho.
“Gostou?” Ele perguntou.
“Se fizer de novo, vou gostar mais ainda.” Disse pra ele.
“Então se prepara” Ele disse.
Afundou a rola com tudo e começou a socar forte, a cama ia e vinha com força.
“Ai… Ai… Ai… Ai… Ai… Ai… Ai… Ai…” Eu só gemia, não conseguia falar nada.
Ele pegou nos meus cabelos e puxou pra trás, eu continuei sem conseguir falar uma palavra, só gemer.
Sentia meu cu queimando de tanto tesão, e tanto pirocada também rs
“Vou deixar esse cu ardendo” Ele disse.
“Ah… Ah… Ah… Ah…” Eu gemia, louca de prazer.
“Vou gozar… ta saindo.” Ele disse.
“Para… Para…” Pedi.
Quando ele parou, virei e caí de boca.
“Quer no rostinho quer?” Ele perguntou, eu balancei a cabeça que sim.
Ele puxou o pau e esporrou na minha cara.
Lili da cara gozadaaaaa hehe
Quando terminou de esporrar na minha cara, lambi um pouco que escorria e fui lavar o rosto.
Enquanto eu me lavava, ele me abraçou por trás.
“A gente tem que repetir a dose.” Ele disse.
“Agora que a gente tem contato, vamos com certeza.” Respondi, secando o rosto.
“Meu filho foi muito burro em ter te deixado.” Ele disse, alisando minha bunda.
“Burra seria eu se ainda tivesse com ele, talvez não tivesse aproveitado um terço de tudo o que já aproveitei” Disse pra ele.
“É, mas já pensou a gente tivesse aproveitado um ao outro antes?” Ele perguntou.
“Teria sido a melhor coisa do meu namoro com ele.” Respondi, pegando no pau dele.
Me arrumei e ele me levou até perto da minha casa, de lá segui sozinha.

Foi isso meus amores.
Próximo que vou contar, prometo pela minha bucetinha, é a aposta que perdi e tive que pagar com o corpo pra 2 amigos meus.
E também da segunda vez em que o pai do meu ex e eu ficamos.

Beijinhos

Contos relacionados

Comentários

© 2019 - X Contos Eroticos