X Contos Eroticos » Fetiches » Sexo selvagem na madrugada

Sexo selvagem na madrugada

  • 20 de junho de 2022
  • 2292 views

Boa noite!

Oi, meu nome é Suzana, pele clara, 1,72cm e 62kg, cabelos loiros, olhos castanhos, seios naturais fartos, bunda bonita e durinha, pernas e coxas grossas e atraentes, atributos que chamam atenção dos homens.

Tenho 44 anos, natural de Curitiba, moro em São Paulo há bastante tempo.

Separada há quase 10 anos, meu casamento foi o maior trauma da vida, o único triunfo e alegria, foram os nascimentos das minhas 2 filhas.

O casamento foi tão traumático que só consegui me relacionar sexualmente com outro homem quase um depois da separação. Não desejo o que passei durante e depois do casamento a ninguém.

A grande volta por cima aconteceu quando viajei sozinha a Itacaré, BA.

Cidade linda e turística, Itacaré mudou minha vida quando conheci 3 turistas portugueses, história já foi contada por mim neste site.

Quando voltei de viagem, terminei o namoro de 5 meses com o Flávio, o desejo de liberdade “falou” mais forte, não queria ter compromisso com ninguém, queria ganhar o mundo e fazer tudo que quisesse sem a obrigação de dar explicações a homem algum.

A separação me trouxe experiências, jamais teria se fosse casada, viajei sozinha ou acompanhada das filhas, viajei sozinha, conheci lugares maravilhosos e paradisíacos, colecionei experiências exóticas como: Festas de swings, boates, bailes carnaval etc…

Ao longo desses anos solteira, tive a companhia de vários homens entre as pernas, experiências adquiridas só depois da separação.

Até nome dei para minha bucetona, ela se chama “Cléo”. Eu e essa “garota” temos muito assunto para contar, nela já entrou, paus pretos, paus morenos e paus brancos, de todos os tipos e tamanhos que vocês possam imaginar.

Quando eu disse: “Que depois da viagem a Itacaré me fez mudar, é porque estou falando a verdade. ”

Há 4 meses, estou namorando seu nome é Théo, ex-policial, moreno-bonitão, 1,90cm forte, suas melhores qualidades é a gentileza, educação e “fome” de sexo.

Quando éramos apenas “amigos”, saíamos com frequência, nossos lugares prediletos eram barzinhos que tocavam, samba e pagode.

Devo confessar que diversas ocasiões “fugia” de Théo, ele é tão viciado em sexo assim quanto eu, só um probleminha, brinquedinho do morenão tem 20cm, eu mesma já medi seu pau gostosão. O pau do meu namoradão é lindo demais, a glande tem formato de cogumelo, enquanto o corpo do pênis é gostoso de pegar.

Nos apaixonamos quando viajamos a Campos do Jordão, história também narrada por mim aqui neste site.

Agora imaginem, quando duas pessoas que gostam de sexo se encontram?

É isso mesmo que vocês pensaram e mais um pouco!

Ontem, Théo saiu tarde do serviço e passou na minha casa para me ver, tomou banho e jantou. Dê barriguinha cheia, teve energia o suficiente para descarregar em mim no quarto.

Entramos no quarto excitado, usando camisolinha preta, subi na cama fiquei de quatro na beiradinha para o meu “Gato-moreno”, Théo, se livrou da calça e cueca, o pauzão namorado estava do jeitinho que eu gosto, ereto e duro, ele de pé, se aproximou, salivando dentro da boca, me apropriei segurando com minhas mãos macias, segundinhos depois já o chupava gostoso. Théo, foi subindo a camiseta branca-lisa até tirar do corpo, em seguida, sinto uma das mãos esfregando a “Cléo”, e o bumbum, enquanto a mim, não parava de chupar meu namoradinho gostosão.

Chupava devagarzinho sabendo que ele ama, Théo se sentiu tão excitado que me segurou os cabelos, minha língua não dava tréguas ao pauzão do namoradinho, deixei o Morenão doidinho, lambia o “cogumelo” sem parar, a coroa, tudo que pude fazer para deixar ele feliz eu fiz.

Quando me senti satisfeita foi que eu parei chupar. Théo, tirou o resto da roupa, eu, a camisolinha e calcinha.

Nus, ele me colocou de quatro, na cama comigo, iniciou o oral na bunda e no cu, sabendo que ele gosta, rebolava o bumbum no rosto e boca do namoradinho, chupou rapidinho.

Ao parar o oral, Théo se deitou na cama e fizemos o delicioso 69, ele chupando a “Cléo”, eu, seu pauzão-gostoso.

Théo sabe a “região” certinha e onde chupar, quando estamos transando na minha residência, tenho que me controlar para não gritar além da conta por causa das minhas filhas. Ele chupando, eu o masturbando devagarzinho me controlando para não fazer barulho demais, chupei mais um pouquinho porque eu amo seu pau.

Ontem ele apertava tanto a bunda para me chupar, tanto a “Cléo” quando o cu, Théo estava todo a vapor.

Ao pararmos, saí de cima e voltei para “encaixar” o pauzão dele na “Cléo”, foi tão gostoso e tranquilo a penetração, Théo chupou as aréolas e mamilos de cada seio, suas mãos e dedos grandes, fortes e bonitos, percorreram boa parte do meu corpo-quente e sedento por sexo.

Movimentando o quadril, o pauzão do moreno ficou se movendo dentro da “Cléo” sem um minuto de descanso, Théo, dava uns apertões nos seios com seus olhinhos fechados, o gato devia estar se sentindo confortável e excitado, cavalguei no ritmo certo para a transa durar o máximo de tempo possível.

Excitada, mordia os lábios também com os olhos fechados, movimentando a cintura e o quadril, ouvia os gemidinhos do namoradinho, ele segurando meus seios, eu com as mãos por cima das dele um olhando para o outro.

Quando Théo baixou meu tronco, chupou meus seios, suas mãos seguravam firmes os quadris, nos beijamos na boca, e o sexo seguia sem interrupções, é tão gostoso sentar, rebolar e cavalgar naquele pauzão. Ele ama quando estou por cima e fico apertando de levezinho, os testículos, ontem fiz exatamente que o Théo gosta, ficamos um bom tempo só daquele jeitinho.

Na posição sexual seguinte, ele continuou deitado, só virei de costas para Théo e sentei a “Cléo” em seu pauzão, o “cogumelo” e mais todo corpo do pênis entraram profundos e cavalguei, ele segurando e apertando meu bumbum, seguimos bem gostoso, baixando um pouquinho o tronco, conseguia ver o pauzão do namoradinho penetrar. Empolgada, elevei o tronco, as sentadas ficaram intensas, os gemidos foram aumentando de tom, por sua vez a “Cléo” foi castigando o “Theozinho”, eu ficava olhando os dois se gladiando na madrugada de quarta para quinta.

Excitada, me estimulava tocando o clitóris, Théo segurando meus quadris, as penetrações foram aumentando a cada segundo, eu não podendo gemer alto, tive que me segurar para não acordar as minhas filhas.

Quando tive orgasmo, fui a tampar a boca porque veio forte, sem forças, deitei na cama e quase caí no chão, Théo foi meu herói me segurou, ele queria mais, nem tive tempo para respirar, de ladinho, pediu meu cu.

Como havia penetrando muito na “Cléo”, liberei um pouquinho o cuzinho para ele ficar feliz.

Aí eu tive que ficar de quatro, Théo deu algumas lambidinhas no “anelzinho”, seu “cogumelo” forçou a entradinha entrando bem, bem devagarzinho. Sentindo o cuzinho alargar, concentrei estimulando o clitóris, daí para frente foi gostoso demais, um minutinho de intensas penetrações e outro minutinho bem devagarzinho, é assim que fazemos, para o seu “Theozinho” não me machucar.

Depois de um tempo meu cu fica daquele jeitinho que vocês estão imaginando, sinto bem pouco o “Theozinho”.

Me apaixonei e escolhi o Théo para ser meu namorado por duas razões, pelo homem-bom que é, e por conseguir segurar a ejaculação e conseguir prolongar a ejaculação.

Só que, quando ele está fazendo anal em mim é dureza, não posso ficar reclamando. Eu gosto de dar o cuzinho…

Quando cansei de dar meu cu, fiquei deitadinha na cama, o namoradinho ficou entre as pernas comendo a “Cléo”, o “negócio” estava tão intenso que meus seios giravam por causa das penetrações do moreno-gato, eu com a mão na boca me controlando para não fazer barulhos, o “Theozinho” sem camisinha fodendo com a minha “Cleozinha”, estimulando o clitóris fui contemplada de outro forte orgasmo.

Quando Théo tirou o “Theozinho” de dentro da “Cleozinha”, a ejaculação veio forte, barriga e braço esquerdo tomaram “banho” de porra, como uma boa amante do sexo, espalhei o esperma do namoradinho pelo corpo e não perdi a chance de experimentar um pouquinho, levando meus dedos a boca, gosto de amarguinho, engoli um tiquinho, Théo com seu corpão todo suado, o “bicho” ficou cansado, não satisfeita, fiquei estimulando o pauzão do namorado masturbando, quando percebi que o “Theozinho” tinha perdido força, larguei e chupei meus dedos que havia esperma.

Cansada e extremamente bem “comida”, fiquei alisando os seios com as pernas abertas exibindo a “Cléo” aos olhos de Théo.

Com o corpo cheirando a esperma, saí da cama junto com Théo, tomamos banho, e quando terminamos do banho, vesti a mesma camisolinha, ele vestiu de sua roupa, acompanhei ele até a porta, nos beijamos gostosinho e o namoradinho seguiu seu rumo.

Contos relacionados

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 - X Contos Eroticos