X Contos Eroticos » Incesto » Minha enteada dando mole afim de putaria

Minha enteada dando mole afim de putaria

  • 15 de outubro de 2018
  • 5162 views

Me chamo Gabriel, tenho 42 anos, moro com a minha namorada Sandra, de 40 a 5 anos e depois de um tempo a filha dela, de 18 anos, veio morar com a gente depois de viver com o pai em Santa Catarina.

Ela se chama Juliana, é uma loirinha muito linda, olhos cor de mel, alta, bunda perfeita, peitos médios e bem empinadinhos e uma barriguinha perfeita, parecendo esculpida pelos Deuses.

Cada dia que passava, tava foda aguentar essa garota desfilando de shortinho e top pela casa. Ela não tinha vergonha de nada e ficava até de sutiã na minha frente, mas minha mulher também sempre andava pelada pela casa, então a garota nem ligava e muito menos minha esposa, que confiava cegamente em mim.

Caralho, teve um dia que não aguentei, a Ju, tava dançando funk com a porta do quarto entreaberta, eu não aguentei e fui espiar. Ela tava bem gostosa de shortinho preto rebolando a bunda até o chão.

A bucetinha dela toda inchadinha marcada no shortinho e quando ela empinava eu tinha a visão do paraíso, aquela bunda perfeita e aquela xaninha dividida. Eu acabei sendo visto por ela, pensei que ia me dar mal.

Para minha surpresa, a safadinha sorriu me olhando e continuou dançando, logo em seguida comentou:

-Fecha a porta Gab, fico sem graça de você me vendo.

-Fica sem graça, mas tá filmando no celular né danada? -Eu falei e arranquei um sorrisinho safado dela.

Saí do quarto e tive que ir ao banheiro tomar um banho e bater uma punheta pra aliviar o tesão que era. Eu ficava lembrando da buceta dela toda espremida e me dava vontade de traçar essa safada. Depois de gozar fantasiando minha enteada me dando, fui dormir pensando nela.

Parece que ela ficou mais safada depois desse episódio, ela não perdia a chance de me provocar, andava de calcinha pela casa, outras vezes dançava na minha frente, me deixava louco. Ela me deu muita corda mesmo, por mais ou menos um mês, aí comecei a ser mais safado e partir pra cima dela, mas ela sempre me cortava e eu de pau duro só passava vontade.

Um dia não aguentei, minha mulher tava no trabalho de plantão, eu ali no maior tesão, fui até o quarto da minha enteada e chamei ela. A safada acordou, sorriu e virou a bundinha pra cima para eu ver. Ela não disse nada, só empinou, abriu as pernas e virou de bruços fingindo que dormia e deixando claro que tava me dando passagem.

Eu botei meu pau pra fora, me aproximei dela e comecei a beijar seu corpinho gostoso. Ela tava usando só uma calcinha minúscula enfiada no cuzinho e sem nada por cima.

Beijei as costas dela, fui descendo até chegar na sua bundinha linda, que eu beijei todinha, mordisquei, ela só mexia de levinho e gemia bem baixinho, isso era demais.

Tirei o short e a cueca, tirei a calcinha dela e abri as bandinhas da sua bundinha gostosa, passei os dedos, descendo por tudo e quando cheguei na sua buceta, notei que tava super molhada, então eu coloquei minha boca no cuzinho gostoso dela e comecei a linguar bem gostoso. Ela ficou louca, gemia baixinho, rebolava discretamente sua bunda, eu então fiz ela se erguer um pouquinho e chupei sua buceta.

Tava louco pra sentir o gostinho dela, uma delícia o gosto dessa safada. O grelinho dela tava bem durinho na minha boca, eu sugava gostoso, lambia e ela gemendo gostosinho igual uma putinha.

-Não aguentou fingir que tava dormindo né? você geme bem gostoso, safada!

Ela não falou nada, só respondeu com mais gemidos, eu não tava aguentando mais, meu pau tava latejando, minhas bolas doiam de tesão, virei ela de bruços, comecei a chupar aqueles peitinhos gostosos. Os biquinhos bem rijos de tesão e a pele dela toda arrepiada.

Fui descendo, beijando a barriga dela, beijei sua bucetinha, dei mais uma chupadinha e abri bem suas perninhas, me deparando com aquela xaninha lisinha bem gostosa. Quando abri as pernas dela, fui penetrando meu pau, sem camisinha mesmo, fiquei morrendo de medo dela engravidar, mas eu tava com muito tesão pra desistir.

Quando senti as paredes da buceta dela apertando meu cacete, fui ao delírio, eu fiquei louco e urrei feito animal no cio, ela gemia, me mordia na orelha, no pescoço, arranhava minhas costas e apertava meu corpo contra o dela com as pernas.

Caralho, que experiência gostosa essa de comer minha enteada linda, com a carinha e corpo de ninfeta que eu sempre quis.

-Caralho, que buceta apertada, gatinha, abre mais ela pra mim, deixa eu foder ela todinha, meu pau tá todo melado já.

Ela gemia e perguntava se tava gostoso, eu tava por cima dela ainda mas queria socar com força, queria arrombar aquela putinha que tanto me provocava, pedi pra ela ficar de quatro, beijei seu rabo, apertei, abri as bandinhas e dei um tapinha pra ela empinar.

Quando ela empinou apoiei uma perna na cama e a outra no chão pra facilitar as bombadas que comecei a dar. Meu saco batia com tanta força no rabo dela que fazia um barulhão. Quando comecei a meter forte ela não aguentou mais ficar quietinha e gemer baixo.

-Aiiii, que delicia! Seu pau tá me rasgando!

Ela era muito puta, eu metia forte, tava pingando de suor, ela toda vermelha e rebolando na minha pica. Depois de tanto socar eu senti que ia gozar, mas não queria arriscar e disse que ia gozar na boca dela.

Ela sorriu safada e disse que tava louca pra experimentar meu gosto.

Enfiei minha pica na boca dela, segurei sua cabeça e comecei a bombar de leve na sua boca gostosa, ela as vezes engasgava, mas eu metia mesmo, ela mama bem gostoso, a putinha parecia especialista no oral. Depois dela lambuzar meu pau todo, eu acabei gozando, dei uma jatada forte que foi bater na garganta dela e a putinha me olhando bem safada engoliu tudinho, do jeito que eu gosto.

Depois dessa experiência eu não parei mais de comer minha enteada, ela é putinha na cama e me satisfaz mais que minha mulher.

Contos relacionados

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 - X Contos Eroticos